Bem Vindo

Você que está sempre por aqui ou você que chegou agora, fique á vontade pra comentar, criticar, adicionar. Nem só da mente louquinha da autora é que o blog se alimenta!

sexta-feira, abril 07, 2006

Cérebros Travados


Dizem que o computador é a máquina que mais chega perto de um ser humano. De fato são cada vez mais rápidos e “inteligentes”, talvez o segundo item do qual não dá pra passar sem, depois do desodorante, claro. Já a mente humana nos revela coisas surpreendentes. A lógica diz que enquanto estiver vivo e saudável é possível aprender coisas novas, principalmente as mais corriqueiras, o senso comum que se passa nas conversas e na convivência com outras pessoas. Pode até ser a lógica, mas em se tratando do ser humano ninguém pode se fiar em nada.

Como jornalista e leitora voraz de tudo o que me passa pela frente, gosto de ver a língua portuguesa bem empregada. Um bom texto, uma conversa interessante e as várias nuances que podemos usar (metáforas, eufemismos, ironia...). Por isso, há anos venho observando uma situação que me deixa intrigada: pessoas que falam errado. Calma, não joguem pedras agora! Não sou Pasquale Cipro Neto e recorro muito ao dicionário. Entendo que nem todo mundo goste de escrever, que goste (ou possa) ler, e sei que as diferentes formas de falar compõe a cultura brasileira. Também não me refiro a quem conjuga verbo errado, não sabe fazer plural ou não sabe o que é admoestação. Isso tudo é normal e compreensível, até porque erudição demais também é um saco.

Meu interesse lingüístico são nas pessoas que falam galfo, táuba, “tito de eleitor”, broco, Banco Badresco e outras aberrações. Não é por ser de interior, pois a maioria vive na cidade há anos; não é o ambiente, uma vez que convivem com gente que fala certo a maior parte do tempo. A maioria não tem síndrome de cebolinha, quem fala Badresco pode sim falar Bradesco, o encontro consonantal é o mesmo. Fui investigar, claro. Comecei com o asg da empresa: “seu , Antônio, o senhor sabe que não é badresco né?” “sei minha filha mas não sai não! E tento, tento, mas quando abro a boca sai...sai... BADRESCO, ta vendo?” . Lá em casa a menina fala “você vai querer a cenoura e o broco?” “ – Claro que quero brócolis” respondo, já querendo consertar a língua da pobre. Investi nela também. Argumentei que ela sabia ler e pedi pra que falasse várias vezes bem devagar: Bró-co-lis , repetiu ela umas seis vezes e mandei falar. Saiu algo como bóscolis. Fui pra uma mais fácil “ – Fala título de eleitor então”. Foi uma novela, parece que a língua enrola no som do U pra ir pro LO.

Com Seu Antônio resolvi apelar, disse que lhe dava 10 reais se ele falasse Atlético Paranaense e não Atrético Panaraense, com direito a dois dias pra treino com minha ajuda. Nesses dois dias os colegas resolveram investir na cultura do colega e o lance passou pra 50 reais. Todos na esperança de mexer com os brios e a possibilidade de um fim de semana mais gordo pro cara.

Deu em nada! Até devagar o danado insistia em pa-na-ra-em-se. Dei o diagnóstico: Seu Antônio, teu cérebro travou.

PS: apesar do tom de brincadeira a coisa é séria. As histórias são verídicas e minha preocupação também. Algum lingüista ou fonoaudiólogo aí pra me dar uma luz?

10 comentários:

  1. Oi Lay
    Tenho acompanhado seus textos no blog e tenho gostado muito...se ehh surpresa pra quem tem postados as mensagens naum sei , mas para mim nenhuma, sempre soube do seu potencial. Tenho ADORADO, acho q estah noa hora de mandar essse link correr o pais naum???? MUITO BOM!!!!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Legal o seu blog. Gostei!
    Não sabia q vc escrevia bem assim.
    Vou estar sempre dando uma olhadinha nele.

    ResponderExcluir
  3. oi Lay! teu blog ta o máximo! sempre vou ficar dando uma olhadinha ta?

    ResponderExcluir
  4. GOSTEI MUITO DO BLOG... SEREI LEITORA FIEL... ABRAÇO! URSINHA.

    ResponderExcluir
  5. Virgínia Osita09 abril, 2006 12:46

    Adorei o blog, parabéns, ganhou uma leitora, aliás, sempre gostei dos seus textos, desde a escola, te disse q tinha jeito p escrever ...um beijo e boa sorte!!!

    ResponderExcluir
  6. Oi fofa,
    Adorei seu blog. Achei d+ seu texto sobre as pessoas que escrevem e falam errado. Vc não está sozinha nessa, penso a mesma coisa.
    Parabéns pelos textos.
    Bjos

    ResponderExcluir
  7. Ótimo texto, Layana. Aliás, por falar em erros graves, desde o meu primeiro comentário aqui, que fico meio intrigado com a impossibilidade de colocar o nome do autor do comentário com a primeira letra maiúscula... Por que será? Abraço.

    ResponderExcluir
  8. É cara Layaha, acho que nos casos citados o problema deve ser sanado com fonoaudiologia, pois as pessoas sabiam o certo, mas não conseguiam falar. Seja porque o cérebro ou a língua travou.
    Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  9. Realmente esse é um problema sério.
    Uma questão que você até pode abordar em outro texto é o fato de muitas pessoas do interior falarem errado, aprenderem o certo e quando voltam para visitar suas cidades de origem, voltam a falar errado pra não se sentirem discriminadas. A empregada daqui de casa mesmo disse que ela (ou outra pessoa) quando foi falar certo recebeu foi um comentário do tipo "Ih, tá toda besta!" ou "Vixi, tá metida a chique, é?. Pois é, muitas vezes as pessoas acabam elitizando a língua e perpetuando preconceitos. Porque pobre tem que ou pode falar errado?
    Bom, no mais seu texto tá ótimo, Layana.

    ResponderExcluir
  10. Adorei Lay, vou visitar sempre. Às vésperas da eleição, nada vai nos irritar mais que os "titos" e "númuros", hehehe!! bjs

    ResponderExcluir