Bem Vindo

Você que está sempre por aqui ou você que chegou agora, fique á vontade pra comentar, criticar, adicionar. Nem só da mente louquinha da autora é que o blog se alimenta!

segunda-feira, abril 24, 2006

O Novo Termômetro da Mídia


Poucas instituições gozam de tanto prestígio com os brasileiros como a imprensa. É a responsável por informar grande parcela da população através da tv e contribui para a formação de opiniões com suas análises e pontos de vista. Apesar das batatadas que vez por outra acabam vindo a público, os meios de comunicação cumprem bem seu papel no Brasil. Cabe também à imprensa a missão de fiscalizar o poder. Missão que é de direito de qualquer brasileiro, mas nem todos tem tempo livre para assistir sessões da câmara, investigar falsos serviços prestados e outras artimanhas.

No imaginário popular o que sai na imprensa é relevante, logo - imagina o público - deve levar em consideração pontos importantes para dar base as suas afirmações. Para o povo, deu na mídia, ganhou o mundo! Artista só tem “valor” quando está aparecendo, atletas ganham mais fãs à medida que dão entrevistas e personalidades efêmeras lutam por mais instantes de fama. Até os assuntos nas rodas de conversa são permeados pela pauta do noticiário (alguém viu aí mais alguma conversa sobre mãe que abandona bebê recém-nascido?). É comum ouvir: “você viu menina, deve ser coisa importante mesmo essa ida do brasileiro à lua, deu em todo lugar”
E a própria mídia, como busca saber o que está em alta? Quais argumentos usa para validar o que está dando como senso comum ou para afirmar a popularidade de alguma coisa? Para nossa surpresa, de uns tempos pra cá, o dado mais usado para confirmar que aquilo que está se mostrando realmente tem relevância é, pasmem, a quantidade de comunidades no Orkut dedicadas a pessoa ou assunto! Fale-se sobre Suzane Risthofen, sobre Ronaldinho, sobre novelas ou até da falta de emprego lá vem a deixa: já são inúmeras as comunidades no Orkut dedicadas ao tema. Agora não tem matéria de polícia que não mostre o delegado “desbravando” a rede em busca de pistas. Gente muito séria tem usado o expediente. Já faz algum tempo que as principais revistas do país aderiram ao modismo.

A mídia, como qualquer coisa inventada pelo ser humano, tem suas modas. A Anterior a essa era mostrar quantas citações tal assunto tinha no google. E lá vinham números exorbitantes. Ninguém dava o desconto de que o google cita o mesmo site até três vezes – quem usa já viu – pois é um buscador automático. Da mesma maneira o orkut tem várias comunidades praticamente iguais, que muitas vezes compartilham integrantes. As modas da mídia não são de hoje. Lembra quando toda matéria com números ou estatísticas levava o aval do matemático Oswald de Souza? Toda novidade era da NASA e no supermercado só se entrevistavam donas de casa? É... cada tempo uma moda.

Estou torcendo para que a moda dure. Pode ser que o boca nu trombone vire objeto de citações do orkut e, de tanto ver na tv, o público de verdade acesse feito louco. Tchau, vou ali fabricar umas comunidades!

2 comentários:

  1. Arnaldo Mendes24 abril, 2006 22:31

    Interessante este ponto de vista. A gente escuta este tipo de coisa, lê e vai engolindo, engolindo... Você deve levar o dobro de tempo pra ler jornal né? Catou o que eu não tinha visto niguém dizer ainda rsrsrrs

    ResponderExcluir
  2. Realmente citar quantas comunidades o assunto da matéria tem no orkut é muita leseira. Não mede nada e ainda mais, quando a imprensa quer m,eter pau no orkut faz sem dó. Mas pra ilustrar matéria serve...

    ResponderExcluir